sexta-feira, 30 de outubro de 2009

No final de junho, Parintins, Amazônia , foi castigada com a maior  chuva desde 1976. Neste período, fotografei o cotidiano dos moradores da Rua Padre João, na região central da ilha. Na primeira casa de porta aberta, conversei com dona Maria , de 72 anos, e  escutei uma coisa que influenciou de forma direta a minha forma de olhar a vida das pessoas que estava conhecendo"Quem vive na Amazônia não pode temer a água”. Já cobri diversas enchentes e nunca tinha sentido tamanho respeito pela água. O teto das casas ficou baixo. O calor de 38 graus  e a umidade foram o convite para as pessoas saírem de casa e esperar uma rara brisa. Segundo Seu Marina é melhor tirar uma soneca com o bafo da água fo que com o bafo do asfalto. Outra coisa que me chamou a atenção foi a capacidade de reinvenção do espaço urbano. Da noite para o dia marombas coloridas foram montadas dentro e fora das casas, e o que a imprensa batizou (com razão) de  tragédia pelo menos em uma rua  se transformou numa forma de viver com cor e dignidade.  







4 comentários:

Jussara Martins disse...

Lindo tudo que vc faz com a fotografia! Você é referência para essa conterrânea aqui! Sucesso!

Jussara Martins disse...

Olá. Obrigada viu! :D
Então, eles ainda estão em Vila Velha, num acampamento que fica na Darly Santos. Geralmente viajam pelo Estado mesmo e ficam a maior parte em VIla Velha.
Abração!

fotojornalista | Porto Alegre | RS disse...

Belas fotos.

no map disse...

Bruno, es un trabajo maravilloso. El agua y la amazonía, y sus 38º, crean una armonía perfecta con tu objetivo. Beijos
Antonia